Enquanto explicador é comum receber alunos que terminaram o curso e que me vêm pedir conselhos sobre qual é a melhor estratégia de entrada no mercado de trabalho. Não existem fórmulas mágicas, mas uma coisa é certa, ficar em casa a olhar para as paredes não é a solução. A atitude deve ser de proatividade, procura constante e usar a rede de contactos disponível para ter acesso a oportunidades.

Acredito que nos primeiros anos de trabalho o foco deve ser encontrar lugares onde possas desenvolver competências necessárias para a carreira que pretendes ter, mesmo que isso implique ganhar menos. Caso não apareçam essas oportunidades, pedir para estagiar por três a seis meses junto das empresas ou profissionais que mais admiras, de forma a aprenderes em contexto real e dar o salto para uma outra empresa já com contrato assinado. Sei que é um tema sensível, e que muitos consideram uma exploração. E tu? Qual a tua opinião?

Damos-te então algumas dicas para não ficares parado:

  • “Trabalha à borla”!

Sim é mesmo o que acabaste de ler! Tens de “trabalhar à borla” para ganhar experiência. Tens de ter noção que serás “explorado”, vais fazer sacrifícios, vais acordar às 6 da manhã para ir trabalhar e chegar a casa depois das 8 da noite se for necessário.

Em casa não se ganha experiência. Ao ires para uma empresa trabalhar (como um estágio por exemplo) vais ganhar competências que te vão ser muito úteis na tua próxima entrevista de emprego. Um estágio profissional pode ser uma excelente forma de teres contacto com o mercado de trabalho. É destinado a pessoas entre os 18 e 30 anos e as candidaturas podem ser submetidas aqui. Ah e queres saber a melhor parte? Pode ser remunerado!

  • Pensa nas empresas onde gostarias de trabalhar

Nunca pensaste em trabalhar no Google, na Apple ou na Amazon? Pois bem, luta por aquilo que queres! Lista as empresas onde gostarias de trabalhar e está atento ao seu percurso. Muitas startups, por exemplo, como consequência dos investimentos que recebem, necessitam de mais recursos, sendo que um deles é o aumento da equipa. Candidata-te às vagas que forem abrindo!

  • LinkedIn? Why not?!

Provavelmente já deves ter ouvido falar do LinkedIn. Através desta rede social poderás contactar pessoas que trabalham nas empresas onde gostarias de trabalhar. Entra em contacto com os teus conhecidos e pede para te apresentarem alguém da empresa com quem possas falar e dar-te a conhecer.

 

 

  • Marca a diferença em tudo o que fazes!

Hoje em dia um empregador procura por referências através da sua rede de contactos, muitas vezes, antes de analisar um CV. “João, conheces alguém de Marketing Digital?” – “Sim, no Verão a Mariana estagiou cá durante 3 meses e fez coisas incríveis! É muito motivada e tem uma vontade gigante por aprender”. Por isso, marca a diferença!

  • Faz como eu e arranja um part-time

São vários os part-time que podes conciliar com os estudos. Eu escolhi dar explicações. Partilhar o teu conhecimento com alunos de todo o país pode ser uma excelente forma de desenvolveres competências de comunicação, responsabilidade e organização. Ao ajudares um estudante a troco de dinheiro vais ter a responsabilidade de te dedicar o mais possível à pessoa em questão, para que esta consiga alcançar os seus objetivos, sucesso escolar e suba a sua média. Se fores bom e tiveres uma elevada taxa de sucesso, acredita que vão começar a chover pedidos e propostas de emprego.

E para terminar, nada melhor que um vídeo do Director Executivo da @startupsintra, @joaorebelocabral, para nos ilustrar tudo aquilo que aqui foi dito.

SE GOSTASTE DESTE ARTIGO LÊ TANTOS OUTROS NO NOSSO BLOG!